LIÇÕES DE ASCENSÃO

.: LUANNA JIMENES :.

.: O CORPO SEM ÓRGÃOS :.

Quais as extensões, afetos, automatizações e possibilidades de um corpo?

Durante quatro semanas a multi-artista Luanna Jimenes destrincha nuances que circundam a figura do CORPO para compor sua próxima série de performances.

Partindo de diversas leituras, como a simbologia corporal judaico-cristã, o entendimento deleuziano do corpo sem órgãos e as inumeráveis variações raciais e culturais constitutivas do nosso povo, Luanna divide o processo criativo de sua próxima série performática.

03.08 a 07.08
_PARCEIROS CRIATIVOS_

Luanna adentra o espaço, convida os parceiros criativos e começa o ensaio de seus programas performáticos com a leitura do texto: Lições de Ascensão ou Instruções para uma Verticalidade.

07.08 a 13.08
ESTUDOS CROMÁTICOS

Enquanto não esposarmos a totalidade de nós mesmos; recobrando a autonomia sobre nossos próprios corpos e potencialidades físicas para além das automatizações sociais – a mão que aperta o parafuso, o pé que anda em fila, a cabeça que assente quase que sem perceber -, continuaremos mancos.

Numa tentativa de sair da condição de manca, como qualquer outro indivíduo pós-moderno – cujo corpo é por definição e anatomicamente uma prisão, Luanna Jimenes lê. Modula a voz. Sente. Na fala e no corpo. Desconstroi, para então poder reconstruir, re-ordernar: o pé é agora germe, broto de vida; a mão, receptáculo do fruto mais desejado; a cabeça, eixo central que conduz a uma nova abordagem dos limites físicos de seu “eu” para com tudo o que há.

Em cada parte de sua série Lições de Ascensão ou Instruções para uma Verticalidade Luanna desenvolve uma nova concepção de uso de cada parte do corpo físico.

PLEXO UROGENITAL

Descascar um abacaxi, preparar e tomar um suco de couve e chupar uma manga até o caroço são ações que, para além de relacionarem-se com o dia-a-dia da performer, também podem ser lidas como movimentos re-territorializados.

O momento marca uma virada em seu processo criativo. Inicialmente, a artista buscou leituras e teorias para fundamentar suas intenções e campo de estudo. A leitura judaico-cristã que identifica certas extremidades do corpo (pés, orelhas e rins) como partes consoantes ao broto do feijão. O Germe; deu lugar a uma novo ponto de partida para as performances do Tríptico de Frutas – Plexo Urogenital: ao invés de uma visão externa, a sua própria experiência individual como prerrogativa.

Retirar ações cotidianas de um contexto puramente casual para refazê-las em um ambiente de estudo e aprofundamento nas potencialidades dos signos corporais é, antes de tudo, um discurso que identifica no plexo urogenital três qualidades:

  1. a força necessária para manipular uma faca
  2. o prazer sentido ao chupar uma fruta
  3. por tomar um líquido amargo – o suco de couve sem tempero, a relação plexo-paladar não como fonte de prazer, mas como canal que nutre profundamente as vísceras do corpo.

Reconhecer em um conjunto de órgãos – não estabelecido socialmente, mas entendido com o corpo – tamanha magnitude é o que Deleuze propõe quando nos impele a destruir o “eu maior” e deixar a racionalização extrema de lado para, enfim, poder sentir. O desejo que vem de dentro e não de fora. Liberdade maior não há.

O corpo como assunto e ferramenta para esbarrar em sombras, materializar sonhos e desautomatizar desejos.

Luanna compila o texto dramatúrgico, se reúne com os parceiros criativos, Laura Carvalho e Lucas Rampazzo e faz um primeiro ensaio duplo com Lucas.

Convidamos o jornalista Daniel Benevides que se compromete a fazer o texto final da obra, trazendo notícias do mundo para dentro da performance.
Luanna sintetiza o que está sentindo e achando da construção de seu trabalho sendo observado pelo mundo.

14.08 a 20.08
_CONCEPT FINAL

Luanna faz a leitura performática díptica do texto de Daniel Benevides: Juno está próxima de Júpiter.

Laura Carvalho apresenta o projeto cenográfico Outono Japonês

Luanna experimenta o espaço e mais uma vez reage performaticamente ao texto Juno está próximo de Júpiter.

RISCANDO O ESPAÇO

Luanna, Lucas e Laura discutem a montagem da estrutura cênica para a performance.

Sem planejar, o texto de Daniel Benevides, “Juno está próxima de Júpiter”, condensou pensamentos e intenções de realização de todos os participantes. A feliz coincidência traz outros pontos de intersecção possíveis entre as 3 frentes artísticas e decidem mudar a solução cenográfica e partem para um estudo com tecidos e a projeção de Lucas ao fundo.

Os cenotécnicos Diego Dac e Sauro Santos visitam o espaço para verificar a viabilidade do novo projeto cenográfico e planejam a instalação junto com Luanna Jimenes e a produção do ATRAVES\\.

Luanna Jimenes conversa com a figurinista Sara Teitelbaum sobre o figurino que está criando para sua performance.

Luanna trabalha sobre as projeções e trilha de Lucas Rampazzo para compor a performance final.

Laura, com ajuda dos cenotécnicos Diego Dac, Sauro Santos e a equipe do ATRAVES\\, finaliza a montagem do cenário.

O grande dia finalmente chega: gravar a performance audiovisual que Luanna preparou incansavelmente durante todo o mês de agosto no estúdio do ATRAVES\\.

A câmera ao vivo e as câmeras de Luccas Rampazzo registram a primeira vez da performance final.

21.08 a 27.08
_JÚPITER, A FLORESTA E O ESPELHO

Uma performance em 3 atos

Com a presença de convidados Luanna faz uma apresentação para convidados no estúdio.

ato I – FLORESTA

No carro abafado de seus pais, o menino se entedia. Yamato Tanooka, de sete anos, olha pela janela. Estão em algum ponto de Hokkaido, ilha ao norte do Japão. Ele quer fazer parte do que vê. Quer sair de dentro, explorar o redor. Mexe nos bolsos. Encontra um punhado de pedras. Minúsculos asteroides.  Aperta o botão, o vidro desce.

A curiosidade é despertada pelo campo magnético dos outros carros que passam. Cores, luzes, ruídos. Carros e pessoas. Atira as pedras. Elas partem em curvas elegantes e batem nos metais das portas, na cara dos passantes. Yamato sonda a reação. Qualquer reação. Insiste. Insiste até se dar conta de que uma explosão maior se aproxima. É seu pai. Ele o abandona na beira da estrada, na beira de um universo desconhecido. Um castigo, senão divino, de enormes proporções.

ato II – JUPITER

Juno está próxima de Júpiter.

E bem longe da Terra – cerca de 800 milhões de quilômetros. A sonda espacial entrou na órbita do gigante gasoso no dia 4 de julho. Chegou a 4.500 quilômetros das primeiras nuvens do que parece ser uma atmosfera de enormes proporções, viajando a 250 mil quilômetros por hora. Não se sabe o que existe além das faixas coloridas que envolvem o maior e mais antigo planeta do sistema solar. Pode ser um núcleo rochoso ou uma massa compacta de gases.

Pode ser um feto, de tamanho mitológico.

Não se sabe, tampouco, o que é aquela mancha vermelha em sua face, que mais parece o olho de uma tempestade permanente.

Juno dará trinta voltas em Júpiter, durante 20 meses. Um ritual de acasalamento. Juno veste um cinto de castidade para proteger seus equipamentos. Um cofre de titânio. 200 quilos. O poder magnético de Júpiter é extremamente forte. Atrai e acelera partículas de alta energia, que vêm do Sol. Pode destruí-la antes que ela colete os dados sobre a origem do astro. Sobre sua formação. Sobre a possibilidade de vida em uma de suas luas, Europa, onde há água. Pois há pouca água em Júpiter.

ato III – O ESPELHO

Quando encontrado, dois quilos mais magro, Yamato está olhando para cima, por uma brecha no telhado tosco. Olha para algum ponto a milhões de quilômetros dali. Talvez, por alguma razão que a razão desconhece, consiga ver Juno, em sua trajetória até Júpiter.

Juno, a suicida.

ENTREVISTAS FINAIS_

O designer Lucas Rampazzo acredita que a limitação é essencial para qualquer criação artística. Confira o vídeo e entenda porquê!

A pesquisadora de cores e diretora de arte Laura Carvalho fala sobre seu processo.

Durante o tempo em que esteve imersa no estúdio do ATRAVES\\, Luanna Jimenes desenvolveu nada menos do que 18 performances. Confira o seu depoimento sobre a experiência de estar sendo observada a todo instante e o que sentiu ao ver suas performances materializadas.

ARTISTAS CONVIDADOS

LUANNA JIMENES
LUCAS RAMPAZZO
LAURA CARVALHO
DANIEL BENEVIDES

CRÉDITOS

Direção
LUANNA JIMENES
JU BORGES

Texto da Performance
DANIEL BENEVIDES

Direção de Arte da Performance
LAURA CARVALHO

Trilha e sonoplastia Performance
LUCAS RAMPAZZO

Artístico
DEMIAN GRULL

Cenotécnicos
HUGO DOURADO
DIEGO DAC
SAURO SANTOS

Ass. de Direção e Câmera
BRUNO PINHEIRO

Redatora Processo Criativo
MARIE CABIANCA

Direção de Arte Processo Criativo
CAROL RODRIGUES

Produção
ALESSANDRA CIPOLLETTA

Pós-produção e montagem
FABIANO IWASITA
BRUNO PINHEIRO

Produção Executiva
DEMIAN GRULL

eu quero mais

Enquanto os artistas ocupam o espaço a redação fica atenta para referências que são citadas e pesquisa sobre o tema abordado. O resultado dessa pesquisa fica documentado em forma de posts que chamamos de re-inspirações.

como criar para si um corpo sem órgãos?
deleuze e guattari retomam o conceito de artaud numa tentativa de inscrever o corpo sob o signo da liberdade. leia mais
5 artistas que foram até o limite pela arte
dos anos 70 até hoje, algumas das manifestações artísticas mais surpreendentes. leia mais
a trilogia das cores
azul, branco e vermelho: kieslowski e sua visão sobre a simbologia atual das cores da revolução. leia mais
a fibra esquecida
instalação de yusuke seki resgata a tradição têxtil de cânhamo no japão. leia mais
das fôrmas às formas
the power of limits, uma lupa para a anatomia da natureza. leia mais
transfiguration
num ato animalesco, o performer olivier de sagazan busca romper com o mundo físico. leia mais
a fotografia mística de maïmouna guerresi
narrativas visuais que revelam a fagulha imaterial que nos une. leia mais
as videodanças de analivia cordeiro
a dança como cinema. leia mais
este é o graham
a única pessoa projetada para sobreviver às estradas ou a ciência da vulnerabilidade humana. leia mais
o estigma da mão esquerda
quando nasci, um anjo torto, desses que vivem na sombra, disse: "vai, Carlos! ser gauche na vida". leia mais
a epidemia de dança de 1518
um dos casos mais fascinantes de histeria coletiva na história. leia mais
glitch art
uma estética própria da era digital. leia mais
o corpo sem órgãos segundo artaud
permitir ao corpo dançar às avessas para libertá-lo do automatismo social. leia mais
sonho, ritual em tempo transfigurado
maya deren nos descreve visualmente como os sonhos operam. leia mais
ângulo mágico
esculturas que, giradas, são capazes de projetar diferentes imagens. leia mais
a sonda ao redor
dessa vez nós realmente fomos longe demais. leia mais
Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
online free course
download xiomi firmware
Free Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=